Acessar o conteúdo principal

Kim Jong-un reconhece "erros" na estratégia econômica da Coreia do Norte

O líder norte-coreano Kim Jong un durante a abertura do 8° Congresso do Partido dos Trabalhadores da Coreia do Norte. em Pyongyang, em 5 de janeiro de 2021.
O líder norte-coreano Kim Jong un durante a abertura do 8° Congresso do Partido dos Trabalhadores da Coreia do Norte. em Pyongyang, em 5 de janeiro de 2021. © AP
Texto por: RFI
3 min

O líder norte-coreano Kim Jong-un reconheceu “erros” na estratégia econômica de seu país, durante o 8° Congresso do Partido dos Trabalhadores (WPK). O evento, que ocorre duas semanas antes da posse de Joe Biden na presidência dos Estados Unidos, define as políticas econômicas e internacionais norte-coreanas pelos próximos cinco anos.

Publicidade

Com informações do correspondente em Seul, Nicolas Rocca 

Em seu discurso, Kim Jong-un constatou o fracasso do plano de desenvolvimento econômico adotado durante o último congresso de 2016, declarando que os resultados estavam “aquém de nossos objetivos em quase todos as áreas”, relatou nesta quarta-feira (6) o órgão oficial de comunicação norte-coreano.

O 8o congresso do Partido dos Trabalhadores da Coreia do Norte foi inaugurado nesta terça-feira (5) em Pyongyang na presença de 7.000 delegados e participantes. Nenhum dos participantes usava máscara, segundo fotos divulgadas pelo órgão de comunicação do partido.

“Nós temos a intenção de analisar em profundidade (…) nossas experiências, lições e erros cometidos”, acrescentou Kim Jong-un, sem precisar que tipo de erros. A Coreia do Norte sofre com a má gestão crônica de sua economia e o plano precedente foi discretamente abandonado no ano passado.

A Coreia do Norte lida com as sanções internacionais destinadas a fazer Pyongyang renunciar ao seu programa nuclear e balístico que teve uma evolução rápida sob a direção de Kim Jong-un.

O país está mais isolado que nunca devido ao fechamento das fronteiras há um ano para se proteger da pandemia do novo coronavírus, que surgiu na China, país vizinho e principal aliado.

Pyongyang afirma não ter registrado nenhum caso de Covid-19 em seu território, informação questionada por especialistas e observadores.

Autosuficiência

Para analistas, o congresso – segundo desde a chegada de Kim Jong-un ao poder e oitavo na história do país – centrado em questões internas, deve reafirmar a importância da autossuficiência e anunciar um novo plano econômico.

O evento é a reunião mais importante do partido no poder. Ele é acompanhado de perto por analistas, que observam qualquer sinal de mudança nas orientações políticas ou de escolha das elites.

A irmã de Kim e sua conselheira, Kim Yo Jong, faz parte dos oficiais eleitos para presidir o Congresso, sinal do aumento de sua influência.

O 7o Congresso organizado em 2016, o primeiro em quase 40 anos, contribuiu para reforçar o poder de Kim Jong-un como líder supremo e herdeiro da dinastia dos Kim, no poder há 70 anos.

Em outubro, o líder norte-coreano ordenou uma campanha nacional de 80 dias para estimular a economia, antes do Congresso de janeiro. Com a aproximação das datas, a Coreia do Norte lançou campanhas de mobilização em massa, convocando os norte-coreanos a trabalharem horas extras e assumirem novas tarefas.

 

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.