Acessar o conteúdo principal

Bombardeio em sala de casamento mata cinco mulheres e deixa feridos no Iêmen

Patrulha de rebeldes Houthis na região da capital Sanaa.
Patrulha de rebeldes Houthis na região da capital Sanaa. REUTERS/Khaled Abdullah
Texto por: RFI
3 min

Cinco mulheres morreram após a queda de um explosivo em um salão de festas durante um casamento, na madrugada deste sábado (2), em Hodeida, cidade em guerra no sudoeste do Iêmen. O local fica perto do aeroporto da cidade, localizado na linha de frente entre as forças pró-governo e os rebeldes Houthis, que controlam a cidade portuária no Mar Vermelho.

Publicidade

A explosão deixou sete feridos, incluindo crianças. Um crime hediondo cometido pelos Houthis contra civis", acusou o general Sadek Douid, representante do governo em uma comissão da ONU para manutenção da trégua na região.

O ataque ilustra a precariedade da paz que prevalece nesta cidade, onde uma trégua negociada pela ONU tem sido geralmente respeitada, desde 2018, pelos rebeldes Houthi e pelas forças pró-governo. O salão bombardeado fica localizado na saída sul da cidade, na linha de frente entre os campos rivais, que se acusam mutuamente pelo ataque.

O representante dos Houthis em Hodeida, Mohammed Ayache, culpou as forças do governo pelo ataque. "As forças agressoras cometem crimes e não hesitam em culpar os outros", disse ele, à estação de TV rebelde Al-Massirah.

Seis anos de conflito

Desencadeado em 2014 por uma ofensiva dos Houthis, que apreenderam grandes áreas do território, principalmente no norte do Iêmen, incluindo a capital Sanaa, o conflito já custou dezenas de milhares de vidas, de acordo com ONGs internacionais.

Os rebeldes resistem desde março de 2015 a uma intervenção militar de uma coalizão liderada pela vizinha Arábia Saudita, que apoia o governo iemenita do presidente Abd Rabbo Mansour Hadi.

Embora os combates no Iêmen tenham diminuído drasticamente por muitos meses, a violência recomeçou em dezembro, em Hodeida, que é também o principal ponto de entrada para ajuda humanitária no Iêmen, e em Aden, no sul do país.

Em 4 de dezembro, pelo menos oito pessoas morreram no bombardeio de um complexo industrial na cidade. Poucos dias antes, cinco crianças e três mulheres foram mortas em um bombardeio, atribuído aos Houthis, em áreas residenciais.

No final de novembro, os campos militares Houthis em Hodeida haviam sido alvo de ataques aéreos da coalizão militar, em retaliação a um ataque a um campo de exploração de petróleo saudita atribuído aos insurgentes iemenitas.

Em Aden, na quarta-feira (30), um ataque teve como alvo o aeroporto desta capital provisória do novo governo, resultado da divisão do poder entre as diferentes facções hostis aos Houthis.

Apesar do ataque, as autoridades prometeram "estabilizar" a situação no Iêmen, o país mais pobre da Península Arábica, onde a pior crise humanitária do mundo deixou milhões de desabrigados e uma população à beira da fome, de acordo com a ONU.

(Com informações da AFP)

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.