Acessar o conteúdo principal

Biden empurra para o Congresso debate sobre possível impeachment de Trump

Opositores pedem que Trump seja destituído, apenas 12 dias antes do final do mandato.
Opositores pedem que Trump seja destituído, apenas 12 dias antes do final do mandato. TASOS KATOPODIS GETTY IMAGES/AFP/File
Texto por: RFI
3 min

O presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, disse nessa sexta-feira (8) que um possível processo de impeachment do atual chefe da Casa Branca é "uma decisão do Congresso". Donald Trump, que termina seu mandato em 20 de janeiro, está cada vez mais isolado, principalmente após o ataque de seus partidários aos Capitólio, na quarta-feira (6).

Publicidade

Biden deixou a porta aberta ao Congresso para lançar ou não um processo de destituição de Trump, menos de duas semanas antes do final do mandato, como reivindicam vários parlamentares democratas, principalmente após as cenas de violência vistas essa semana em Washington. O chefe da Casa Branca é acusado por seus opositores de ter incitado a invasão do Capitólio por seu partidários. O ataque deixou 5 mortos e 15 pessoas já foram indiciadas.

O democrata tentou se distanciar da polêmica. “Vamos nos concentrar no nosso trabalho e o Congresso pode decidir como proceder”, declarou Biden durante uma entrevista coletiva em Wilmington, no Delaware. Mas o presidente eleito não poupou críticas a Trump, dizendo que seu rival é “inapto” a governar.

Biden também contestou a estratégia de vacinação contra a Covid-19 implementada pelo governo atual. "As vacinas nos dão esperança, mas sua distribuição tem sido uma farsa", disse o democrata. Segundo ele, a campanha de vacinação será "o maior desafio operacional que enfrentaremos como nação".

Ausência de Trump na posse é uma boa notícia, alfineta Biden

Um pouco mais cedo, o atual chefe da Casa Branca anunciou em um tuíte que não comparecerá à cerimônia de posse de seu sucessor. "A todos os que me perguntaram, não irei ao juramento em 20 de janeiro", escreveu.

Biden retrucou, afirmando que a ausência de Trump era “uma boa coisa". O democrata disse, no entanto, que o vice-presidente, Mike Pence, era bem-vindo à cerimônia.

Trump, que há dois meses denuncia, sem provas, uma fraude eleitoral contra ele, finalmente reconheceu na quinta-feira (7) que seu mandato estava chegando ao fim.E, embora não tenha admitido explicitamente o triunfo de Biden, prometeu "garantir uma transição de poder tranquila, ordenada e sem problemas".

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.